quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Por que os leões têm juba? As curiosas perguntas da Universidade de Oxford para selecionar seus alunos de ciências



Se você pudesse salvar apenas um ecossistema, qual você salvaria? As selvas ou os recifes de corais?
Esta é uma questão complexa de solucionar. E não há resposta certa ou errada.
Tudo depende dos argumentos usados na justificativa.
É também uma das perguntas que os candidatos a estudantes de ciências na Universidade de Oxford, na Inglaterra, devem responder - após serem aprovados no processo de seleção - para garantir a vaga.

Não há resposta certa ou errada
A Universidade de Oxford é uma das instituições acadêmicas mais prestigiadas do Reino Unido. Portanto, não é fácil conseguir uma vaga.
No ano passado, por exemplo, de 45 mil candidatos apenas 8,6 mil conseguiram entrar na universidade.
Para desmistificar o processo e encorajar futuros candidatos, a universidade publica anualmente uma lista com as perguntas realizadas no ano anterior, incluindo o que os professores esperam nas respostas.

Uefs inscreve para Vestibular 2018.1




Começou na terça-feira (17) o período de inscrições para o Processo Seletivo (Prosel) 2018.1 da Universidade Estadual de Feira de Santana (Uefs). Os candidatos poderão escolher entre 25 opções de cursos. As provas serão aplicadas nos dias 4 e 5 de fevereiro de 2018.
Desta vez, 921 vagas estão sendo oferecidas, sendo 50% reservadas para alunos egressos de escolas da Rede Pública (destas 80% são reservadas para os que se autodeclaram afro-descendentes) e 50 vagas para membros de comunidades indígenas ou quilombolas.

O MÉDICO


César Oliveira

Pode parecer, ao olhar mais desatento, que o médico tem um ofício divino e poderes ilimitados, refazendo no corpo as imperfeições, as falhas, os traumas, que a vida vai nos legando. Não se deixa de ter um pouco de razão, afinal, prolongar a vida, permitir que o milagre do parto se refaça milhares de vezes por dia, estender o tempo de alguém sobre a terra quando, em uma emergência, tudo mais já parece perdido, não deixa de ter algo de divino. Porém, mais que isso, é preciso entender que o médico é um operário de seu saber, com sua lavoura arcaica, de gente. E, como todos, sentem frio, fome e sede.
Mais do que nunca, ser médico exige o talento de um administrador para distribuir seu tempo entre diversos empregos, e a habilidade de um Templário para lutar com os gestores da Saúde. E pede-se que seja um homem de alma dura e força sobre-humana para sobreviver às condições de trabalho na rede pública onde, como um Deus impotente, mas senhor dos destinos, tem que escolher quem vive e quem morre. Sem perder, entretanto, a capacidade de enternecer-se com os que necessitam, os que dependem do seu amparo, com os que, fragilizados pela doença e pela dor, necessitam do abrigo de sua sabedoria salvadora. Isso tudo, sem tornar-se vaidoso em excesso e sem esquecer que seu saber é sempre menos do que o necessário, finito, e mutável. E que, por isso mesmo, a busca da precisão – este eterno moinho- deve ser sua única obsessão permanente e interminável.

Meus queridos médicos, aquele abraço!



Todo brasileiro é um médico. Todo mundo conhece uma receita que é “batata” para curar enxaqueca, pé de atleta, dor na coluna, dor de cabeça, dor de corno ou dor de cotovelo. Quantas vezes me apanhei receitando mezinhas para amigos médicos, que pacientemente escutaram este paciente metido a médico? Perdi a conta. Mas eles sabem que, quando o “bicho pega”, vamos bater às portas dos seus consultórios, e com a cara mais limpa desse mundo.

         Mas ser médico é isso aí. Paciência, compreensão, amor ao próximo, renuncia, e saco, muito saco, para aturar as intolerâncias, incompreensões e nervosismos dos seus nada pacientes clientes. É verdade que muitos não honram o juramento feito na formatura, mas hoje não é dia de criticar, e sim de elogiar e homenagear a estes anjos vestidos de branco, que nos aparecem nas horas mais difíceis, com um estetoscópio ao pescoço e uma maleta à mão, trazendo alívio para nossas dores.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

Campus da Uefs será palco de campanha para esquecimento de livros

Esquecer pode ser um ato falho, de descuido ou falta de atenção. Mas esquecer com um intuito bem definido pode ser um ato de generosidade. Esse é o propósito da campanha “esqueça um livro” para incentivar a leitura que será desenvolvida pela Biblioteca Central Julieta Carteado da Universidade Estadual de Feira de Santana (BCJC/Uefs), no período de 23 a 26 de outubro.

O palco do evento será o campus universitário e a forma de participação bem simples: esqueça um livro na sala de aula, no ponto de ônibus ou mesmo dentro do ônibus, em cantinas, bancos e praças de convivência, no bandejão. Enfim use criatividade no “esquecimento”, porém não se esqueça de deixar um bilhetinho dentro do livro informando a quem o encontrar que pode requisitar a posse e fundamentalmente a leitura.

Café Dramático é nesta quarta no Museu de Arte Contemporânea


O Museu de Arte Contemporânea, equipamento da Fundação Egberto Costa, vai sediar na próxima quarta-feira, 18, às 20h, a primeira edição do Café Dramático, projeto que visa valorizar textos da dramaturgia nacional através de leituras com atores e atrizes feirenses.
A primeira fase do projeto explora textos dos anos 60, ligados aos movimentos da contracultura. O primeiro clássico a ser lido é Roda-Viva, de Chico Buarque de Hollanda, escrito em 1968, encenado, e logo depois, censurado, em 1969.

Sudene vai investir R$ 709 mil numa consultoria voltada para o Feira 2030

O Planejamento estratégico da cidade para fazer frente aos desafios decorrentes das demandas que serão impostas ao Poder Público foi a tônica da reunião realizada, nesta segunda-feira,16, pelo Grupo de Trabalho Projeto Feira 2030, criado pela Prefeitura de Feira de Santana, por meio do Decreto 10.219, de 20 de março de 2017.
Presidido pelo prefeito José Ronaldo de Carvalho, o encontro teve a participação do superintendente regional da Sudene, Marcelo Neves, que anunciou o investimento de R$ 709 mil para a realização de uma consultoria especializada para diagnosticar as variantes econômicas e sociais do município.
De forma abrangente, a consultoria proposta pela Sudene fará o levantamento dos atuais índices sociais e econômicos da cidade, estabelecendo o ano de 2030 como prazo para apresentar resultados positivos.

MPB - Música Popular Brasileira


Maria Bethânia , Nara Leão, Jerry Adriani e Danuza 1966
Há cinco anos o dia 17 de outubro passou a ser o Dia da Musica Popular Brasileira (MPB). A data foi escolhida para homenagear a primeira compositora de música popular brasileira, Chiquinha Gonzaga, nascida nessa data , no ano de 1847.Naquela época a mulher não tinha espaço na política ou na música , e Chiquinha Gonzaga além de compositora e regente, participou das grandes causas sociais do seu tempo.
A Música Popular Brasileira resulta de um conjunto de manifestações culturais de influência indígena, africana e europeia.

Já o movimento MPB (Música Popular Brasileira) é uma referência à produção musical nacional desenvolvida após o golpe militar de 1964.

Estão enquadradas nesse período todas as músicas de sucesso no rádio e televisão, independente do posicionamento em relação ao regime militar.

JERRY ADRIANI - NADA FEZ POR MIM

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Mutirão realiza exames cardíacos de forma gratuita

Nos dias 20, 21 e 22 de outubro, acontece em Feira de Santana um mutirão para realização de Doppler de Carótidas e Vertebrais, exame que pode evitar o acidente vascular cerebral (AVC). A ação está sendo promovida pela Escola de Ecocardiografia da Bahia, sob a coordenação do médico cardiologista André Almeida. Os pacientes devem solicitar inscrição até esta quarta-feira (18).
      O exame, que será realizado de forma gratuita e com emissão de laudo, trata-se de um estudo com ultrassom que avalia o fluxo de sangue que sai do coração e vai através das carótidas (vasos) para o cérebro. “A obstrução, ou seja, a presença de placas de gordura nesses vasos é uma das principais causas de derrame cerebral”, alerta o cardiologista. De acordo com André Almeida, participarão do mutirão os pacientes que encontram-se na área de risco. “Pessoas que tenham acima de 45 anos, diagnóstico de diabetes, infarto do miocárdico prévio ou acidente vascular cerebral prévio podem se inscrever”, recomenda.

O massacre holandês há 372 anos que levou o papa Francisco a decretar a santidade de 30 brasileiros



Uma missa de domingo em uma capela, ameaças em campo aberto às margens de um rio e 150 pessoas brutalmente assassinadas. Dois massacres registrados no Rio Grande do Norte e apontados como símbolos da intolerância religiosa de holandeses que dominavam o Nordeste brasileiro em 1645 renderam ao país, 372 anos depois, 30 novos santos - "os primeiros santos mártires do Brasil".
Os chamados "mártires de Cunhaú e Uruaçú" - nomes de duas localidades da época que hoje correspondem aos muncípios potiguares de Canguaretama e São Gonçalo do Amarante - foram beatificados no ano 2000 pelo Papa João Paulo II e canonizados neste domingo pelo Papa Francisco.

Tratamento de pele em recém-nascidos do Hospital da Mulher é destaque em São Paulo



O tratamento de lesão de pele em recém-nascidos, realizado pelo Hospital Inácia Pinto dos Santos (HIPS), o Hospital da Mulher, foi destaque durante VII Congresso Brasileiro de Enfermagem Pediátrica e Neonatal realizado na capital paulista.
Defendido pela enfermeira Juliana Rigaud, da unidade hospitalar municipal, o projeto denominado ‘Tratamento de lesão causada por extravasamento de soluções hiperosmolares em recém-nascidos’ foi apresentado em formato de banner durante a celebração dos 21 anos da Sociedade Brasileira de Enfermeiros Pediatras (Sobep) pela liderança da qualidade do cuidado às crianças e famílias, reunindo pesquisadores e educadores da área de todo o país. O acompanhamento desse tipo de tratamento de lesão de pele em recém-nascidos (RNs) no Hospital da Mulher e as poucas pesquisas encontradas sobre o tema motivaram a pesquisadora para a publicação do trabalho, entre 30 de setembro e 3 de outubro, em São Paulo.

sábado, 14 de outubro de 2017

Sete razões pelas quais fazer listas pode mudar sua vida




Sim, você leu corretamente: esta é uma reportagem com uma lista sobre... listas.
Listas de compras, de resoluções de ano novo e de tarefas no trabalho, por exemplo, trazem alguns benefícios interessantes para quem tem por hábito fazê-las. Veja alguns deles:

1. Listas liberam espaço na mente
Segundo o neurocientista Daniel Levitin, nós conseguimos equilibrar na mente apenas quatro pensamentos simultaneamente. A lista, portanto, ajuda a liberar espaço mental e a eliminar aquela sensação incômoda de que estamos esquecendo alguma coisa.
Fazer uma lista das tarefas a serem cumpridas também ajuda você a priorizar e planejar, gerenciar seu tempo e desmembrar projetos grandes em tarefas menores e mais gerenciáveis.
Mais ainda: ao escrever o que precisa ser feito, você leva ao papel aquela confusão de pensamentos atormentando a sua mente, o que pode ter um efeito calmante.
Fora o sentimento de satisfação pessoal e validação ao riscar as tarefas já cumpridas.

A ascensão da homeopatia



Cada vez mais estudos mostram que a homeopatia pode ser eficaz contra doenças crônicas e na prevenção de epidemias. Mas ninguém sabe explicar por que Goiás enfrentou a pior epidemia de dengue de sua história no ano passado, com um aumento de 563% nos casos da doença em relação a 2012. Mas, em 25 municípios, houve uma queda de até 65% nos registros de novas infecções.
 A razão para o descompasso estaria em duas gotinhas de um complexo homeopático, distribuídas em postos de saúde a 200 mil pessoas dessas cidades. O remédio a conta-gotas não evita a infecção, mas reduz os sintomas ao ponto de o infectado nem perceber que contraiu o vírus. Os resultados nada homeopáticos da ação, liderada pela Secretaria Estadual de Saúde, levaram outros 75 municípios a aderir à campanha no final do ano passado.

O fator Aécio e a impunidade Suprema

O STF em  polêmica decisão delegou ao Senado o poder de decidir se uma pena da maior corte do país é aplicável ou não. O voto titubeante, claudicante, e confuso,  da Presidente Carmem Lúcia foi simbólico da barafunda que a decisão causou no dividido plenário. Não de pode deixar de levar em conta que a decisão tenha sido influenciada pelo fator Aécio, afinal, esta decisão o atinge diretamente. Fosse outra conjuntura, em que apenas o debate sobre medidas cautelares estivesse em análise, sem envolver o Senador, talvez a decisão fosse outra. 
 
Estas disputas entre Judiciário e Legislativo não são tão estranhas assim e outras vezes ambos os poderes já andaram metendo a colher na seara do outro, como o arranjo de Lewandowski para não cassar Dilma, por exemplo, apesar do impeachment. Esta história de equilíbrio entre poderes não pode e não deve ser usada para evitar que as questões essenciais sejam examinadas utilizando-se uma paz que não passa de oportunismo.