quarta-feira, 31 de março de 2021

Por que Deus não curou minha mãe?

 "Minha mãe, que era uma mulher muito boa, educada, caridosa, justa, alegre e amorosa morreu de um câncer de pâncreas irreversível aos 64 anos de idade. Já minha tia, que é uma pessoa ruim, dura, nada caridosa e egoísta está aí vendendo saúde aos 76 anos. Por que Deus deixou minha mãe adoecer e morrer e não faz nada com minha tia que é uma pessoa ruim?" (Felícia Cardoso Salles)

Essa é uma pergunta que muitos fazem sem obter uma resposta satisfatória. Alguns poderão dizer que sua mãe foi atingida e não resistiu porque tinha débitos graves de outras vidas, já sua tia não tem, por isso vive bem.  A princípio essa teoria parece verdadeira, mas se formos analisar mais a fundo veremos que é simplista demais para explicar uma situação como essa. Acreditar nisso seria dizer que sua mãe foi punida pelos erros do passado por meio das leis divinas. Mas Deus é amor e sua justiça se dá sempre com misericórdia e clemência. Deus não castiga nem pune, nem a vida cobra nada.

Mas sendo assim, por que minha mãe sofreu tanto? Perguntará você. Segundo informações dos espíritos superiores as doenças são o resultado de nossos desequilíbrios emocionais, espirituais, das nossas atitudes, crenças, pensamentos e sentimentos negativos constantes. Podem ter começado em vidas anteriores, mas, se a doença se manifesta na vida atual é porque a pessoa continua alimentando atitudes e pensamentos que dão força e criam energias que se somam às energias que já existem fazendo surgir a doença grave.

Você diz que sua mãe era muito boa, caridosa e justa, o que eu acredito ser verdade. Mas na hora de adoecer a Vida não leva em conta a bondade e a maldade. Se fosse assim sua mãe não teria adoecido e sua tia é quem estaria doente. Na doença o que conta é o equilíbrio emocional e psicológico. Você conhecia os pensamentos íntimos de sua mãe? Sabia das dores que ela possivelmente carregava no fundo da alma? Das frustrações e desilusões que ela talvez não tenha sabido administrar? Você diz que ela era muito alegre, mas será?

Só Deus sabe o íntimo de cada um. Muitas vezes sob máscaras de alegria escondem-se dores emocionais profundas e problemas íntimos mal resolvidos que, mesmo convivendo com uma pessoa por décadas não pudemos conhecer. Foi o que estava no íntimo de sua mãe que fez com ela adoecesse e partisse. Se ela tivesse cultivado a verdadeira alegria, buscado o equilíbrio emocional, resolvido seus dramas interiores, desenvolvido a consciência e se limpado de todos os sentimentos negativos, com certeza essa doença não teria surgido, porque o equilíbrio emocional e a verdadeira alegria limpam as energias negativas do corpo astral mesmo quando foram criadas em vidas passadas e impede que a pessoa adoeça no presente. Sua tia é durona, não engole nada de ninguém, tem personalidade forte, só faz o que quer, fica do lado dela o tempo inteiro. Ela é o que é. Isso protege seu emocional e impede que ela fique doente. É provável que sua tia viva muitos anos e morra de velhice.

As pessoas dizem que "gente ruim não morre, gente ruim tem sorte". Mas será mesmo que são pessoas ruins? Será que sua tia é ruim? Que critérios você usa para medir a bondade e maldade nas pessoas? Muitas vezes a pessoa tem temperamento forte, defende seu espaço, sabe dizer não, bota pra fora tudo que sente, e só faz o que quer. Por isso são tidas como pessoas ruins. Mas na verdade são apenas elas mesmas. Se as pessoas boas fizessem o mesmo se poupariam de muito sofrimento. Pense nisso e reveja seus valores. O bem e o mal é, na maioria das vezes apenas uma questão de conceito.

A saúde não depende da bondade ou da ruindade, depende do equilíbrio emocional, da firmeza interior e das atitudes a seu favor.

*Maurício de Castro é professor e escritor espiritualista. Publicou dezenas de romances psicografados, ditados pelos espíritos Hermes e Saulo.

 

Nenhum comentário: